Conecte conosco

BRASIL

Registros de estupro batem recorde no Brasil em 2018; casos de injúria racial aumentam 20%

Crescimento vai na contramão da redução registrada nos demais crimes violentos

Publicado

em

Metro1 – O Brasil atingiu um número recorde de registros de estupros em 2018, segundo dados do 13º Anuário Brasileiro de Segurança Pública divulgado hoje (10) pelo Fórum Brasileiro de Segurança Pública. Foram 66.041 vítimas, o que representa uma taxa de 31,7 estupros por 100 mil habitantes. O crime é um dos poucos que tiveram aumento no ano passado, quando as mortes violentas caíram 10,8%.

Na maioria dos casos (75,9%), o autor do crime é conhecido da vítima. A maior parte dos registros (26,9%) se refere a crianças de 10 a 13 anos.

Outro crime que teve aumento nos registros foi o de injúria racial, com alta de 20,6%: de 6.195 casos em 2017 para 7.616, em 2018. Também houve aumento de 10,1% nas anotações de homicídios contra a população LGBT.

BRASIL

‘A grande âncora do meu governo são as Forças Armadas’, diz Bolsonaro

Presidente citou generais que presidiram país durante ditadura militar, como Castelo Branco e Emílio Garrastazu Médici

Publicado

em

Metro1 – O presidente Jair Bolsonaro declarou hoje que a base de seu governo são as Forças Armadas, e citou ações generais que presidiram país durante ditadura militar, como Castelo Branco e Emílio Garrastazu Médici, durante seu discurso em almoço comemorativo de promoção de novos oficiais das Forças Armadas.

“Nós nada fazemos sozinhos. A grande âncora do meu governo são as Forças Armadas”, disse o presidente. O ministro da defesa, Fernando Azevedo e Silva, destacou o “cuidado especial” que as Forças Armadas têm recebido do governo Bolsonaro.

“Faltava preencher um vazio de décadas, resgatar o que temos de mais valioso: o militar e sua família. O projeto aprovado semana passada representou possivelmente o mais importante de 2019, corrigindo distorções, valorizando a meritocracia. Representou mais um esforço dos militares para o esforço fiscal do país”, afirmou o ministro. Os militares são a única categoria do país que não terá idade mínima para se aposentar e a única entre servidores que continuará com aposentadoria integral.

Continuar Lendo

BRASIL

Brasil mantém posição no Índice de Desenvolvimento Humano em 2019

Crescimento discreto no IDH brasileiro é considerado positivo

Publicado

em

Bahia.ba – O Brasil avançou, mas enfrentará novos desafios em 2020. De acordo com o Relatório de Desenvolvimento Humano de 2019, que mede o Índice de Desenvolvimento Humano (IDH), o país teve sucesso no controle de certas desigualdades (expectativa de vida e renda média), mas será confrontado por novos desafios. O Brasil se manteve na 79ª posição global – mesmo ranking de 2018 -, empatado com a Colômbia.

Na América Latina, ocupa a 4ª posição, atrás do Chile, Argentina e Uruguai. O crescimento no índice foi de 0,001 ponto em relação ao ano anterior.

“O que é importante é notar o crescimento no IDH. O índice é relativo, e sofre alterações também dos outros países, que podem subir ou descer. O que é importante é notar a evolução. A nota que dou é positiva. O Brasil continua a fazer progresso, apesar da economia ter sido pior que o esperado. O crescimento do Brasil é sólido, positivo e sustentado”, afirmou o diretor de Desenvolvimento Humano da ONU, Pedro Conceição.

O estudo deste ano apresenta algumas novidades. Entre elas, mudanças na metodologia de avaliação da qualidade de vida dos cidadãos dos 189 países analisados.

“O Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) está apresentando novas ideias para [medir] o desenvolvimento. Isso significa romper paradigmas. Queremos mudar a visão do progresso e do desenvolvimento pela ótica da renda, pela ótica das médias, e que é possível esperar até o último momento para tomar decisões. O desenvolvimento é multidimensional, e as médias podem esconder desigualdades. Isso atravanca o progresso”, explicou a coordenadora do relatório, Betina Ferraz Barbosa.

Continuar Lendo

BRASIL

Marcelo Odebrecht: ‘Lula pediu para que a Odebrecht fizesse um projeto em Cuba’

Empresário quebrou o silêncio sobre sua relação com a empresa e com o ex-presidente

Publicado

em

Bahia.ba – O empresário Marcelo Odebrecht quebrou o silêncio, em entrevista ao jornal Folha de São Paulo publicada nesta segunda-feira (09).

Ele relatou que, de todos os países em que a empresa expandiu os negócios, somente com relação a Cuba houve influência do ex-presidente Lula para que a Odebrecht atuasse.

“Em todos os países, nós íamos por iniciativa própria, conquistávamos o projeto e buscávamos uma exportação de bens e serviços. Em Cuba houve um interesse do Brasil de ajudar a desenvolver alguns projetos. E aí Lula pediu para que a Odebrecht fizesse um projeto em Cuba”, disse.

Segundo Marcelo Odebrecht, o pedido de Lula aconteceu depois dele visitar Cuba.

“Lula estava visitando o país, passou por uma estrada deteriorada e disse que tinha condições de ajudar. Era para fazer a estrada exportando serviços do Brasil, para gerar emprego, renda e arrecadação, e ajudar Cuba a desenvolver o projeto […] O governo cubano desprezou a estrada, queria casas. Mas a gente avaliou as oportunidades e identificou que o melhor para o Brasil, economicamente e do ponto de vista de exportação de bens e serviços, era fazer um porto em Cuba”, afirmou.

O empresário, que chegou a ficar preso no âmbito da Operação Lava Jato e fez um acordo de delação premiada, explicou o motivo do projeto do porto não ter dado certo.

“Vimos o porto como um local que ajudaria a economia de Cuba. E a nossa expectativa, que infelizmente acabou não se confirmando, até pelo esgarçamento da relação com o Brasil, era que mais empresas brasileiras poderiam se beneficiar do porto em si. Mas infelizmente essa parte ficou pelo caminho”, falou.

Continuar Lendo

AS MAIS LIDAS DA SEMANA