Conecte conosco

ECONOMIA

Produção de petróleo no país cai 6,4% entre maio e junho

Na comparação com junho de 2018, houve queda de 1,3%

Publicado

em

(Metro1) De maio para junho, a produção de petróleo no Brasil caiu 6,4%, de acordo com dados da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP). Foram produzidos 2.557 milhões de barris de óleo por dia, uma queda de 1,3% quando em comparação com junho do ano passado.

O gás natural também teve queda na produção, recuando 5,8% em comparação a maio e 3,3% em relação ao mês de junho do ano passado. As quedas na produção de ambos os produtos são causadas, em parte, pela parada para manutenção da plataforma FPSO Cidade de Mangaratiba, que opera no Campo de Lula.

ECONOMIA

Confiança da indústria recua 0,2 ponto na prévia de setembro

Queda foi provocada pela piora da avaliação do empresariado sobre o futuro

Publicado

em

Bahia.ba – A confiança dos empresários da indústria recuou 0,2 ponto na prévia de setembro deste ano em relação ao resultado consolidado de agosto e chegou 95,4 pontos, em uma escala de zero a 200 pontos. O dado foi divulgado nesta sexta-feira (20) pela Fundação Getulio Vargas (FGV).

A queda foi provocada pela piora da avaliação do empresariado sobre o futuro, já que o Índice de Expectativas caiu 0,7 ponto e passou para 95 pontos. Por outro lado, a confiança no momento presente subiu 0,2 ponto e atingiu 95,8 pontos.

O resultado preliminar de setembro sinaliza queda de 0,2 ponto percentual do Nível de Utilização da Capacidade Instalada da Indústria (Nuci), para 75,6%.

Continuar Lendo

ECONOMIA

Investidores internacionais querem evitar dupla tributação com Brasil

Pesquisa CNI-Amcham consultou empresas dos EUA, Alemanha e Reino Unido

Publicado

em

Bahia.ba – Multinacionais dos Estados Unidos, Alemanha e Reino Unido querem acordo para evitar dupla tributação (ADT) com o Brasil, com o objetivo de ampliar comércio e investimentos no país.

É o que mostra um levantamento inédito feito pela Confederação Nacional da Indústria (CNI) e pela Câmara Americana de Comércio (Amcham) com as 55 maiores multinacionais americanas, britânicas e alemãs que têm investimentos produtivos no Brasil.

Segundo a Agência Brasil, o Brasil tem atualmente uma rede de acordos para evitar dupla tributação com 33 países e mais quatro em processo de ratificação. No entanto, nenhum desses acordos inclui Alemanha, EUA e Reino Unido, que são importantes destinos ou origem de investimentos envolvendo o Brasil.

Juntas, as três economias têm mais de US$ 250 bilhões em estoques de investimentos no Brasil. Segundo a CNI, os ADTs diminuem custos para os investimentos estrangeiros no país ao reduzir o Imposto de Renda para rendimentos importantes como envio de dividendos, comércio de serviços, financiamento e royalties.

Segundo a consulta da CNI-Amcham, 86% dos investidores avaliam que poderiam aumentar comércio de serviços com o Brasil. A resposta das multinacionais estrangeiras demonstrou ainda que, para 63% delas, um ADT contribuiria para aumentar os investimentos dessas empresas no país. Além disso, 54% afirmaram que a existência de um acordo contra bitributação com esses três países aumentaria a aquisição de tecnologia pelo Brasil.

“O resultado do levantamento é bem claro. As empresas afirmam que a celebração desse acordo aumentaria seus investimentos no Brasil. Assinar ADTs com EUA, Alemanha e Reino Unido seria uma grande contribuição para melhorar o ambiente de negócios no país e atrair mais investimentos num momento em que o Brasil mais necessita”, disse o diretor de Desenvolvimento Industrial da CNI, Carlos Eduardo Abijaodi.

Continuar Lendo

ECONOMIA

Novos bilionários brasileiros: veja lista dos 20 mais ricos

Dono das lojas Havan entra para lista dos bilionários da Forbes

Publicado

em

Bahia.ba – A Forbes publicou a lista dos 16 novos bilionários brasileiros. Segundo o ranking anual da revista, o Brasil tem 58 bilionários, cuja fortuna soma 179,7 bilhões de dólares. Em 2018, eram 42 pessoas com mais de 1 bilhão de dólares no bolso. De acordo com a publicação, a atualização da lista pode estar correlacionado a melhora na economia do país, e também pela abertura de capital de algumas companhias. Com informações da Revista EXAME.

Entre os novos bilionários está o Luciano Hang, empresário da loja Havan e com fortuna declarada em de 2,2 bilhões de dólares.

Os irmãos Joesley e Wesley Batista, donos da JBS, também entraram para a lista da Forbes neste ano. Cada um possui 1,3 bilhão de dólares. As ações da fabricante de alimentos se valorizaram quase 40% no ano passado, por conta do aumento da demanda por carne bovina na China e nos Estados Unidos.

Também entrou na lista, Luiza Helena Trajano, acionista majoritária da varejista Magazine Luiza. A empresa investe em inovação, aposta no comércio eletrônico e quer criar um superaplicativo aos moldes da chinesa WeChat.

Samuel Barata também chegou esse ano ao ranking. Com 1,2 bilhão de dólares, é acionista majoritário da Drogarias DPSP, segunda maior rede de farmácias do Brasil. O segmento de farmácias é um dos poucos que continuou a crescer durante a recessão econômica.

Diante dos novos bilionários, a colocação de maior bilionário do país também mudou. Ocupada desde 2013 por Jorge Paulo Lemann, com uma fortuna de 22,4 bilhões de dólares, a posição de liderança passou para Joseph Safra, maior banqueiro do mundo e proprietário do banco que leva seu nome, com uma fortuna de 25,2 bilhões de dólares.

Ao todo, a pesquisa da Forbes mapeou 2.153 bilionários, 55 menos do que a lista anterior. Deles, 994 (46%) têm menos dinheiro do que o registrado no ano de 2018, um recorde.

Juntos, eles têm um patrimônio de 8,7 trilhões de dólares. Jeff Bezos, CEO da Amazon, lidera novamente a lista dos mais ricos da Forbes.

Veja lista dos 20 maiores bilionários brasileiros

1 – Joseph Safra (Banco Safra)

2 – Jorge Paulo Lemann  (3G Capital)

3 – Marcel Herrmann Telles (3G Capital)

4 – Eduardo Saverin (Facebook)

5 – Carlos Alberto Sicupira e família(3G Capital)

6 – José João Abdalla Filho (Investimentos diversos)

7 – Abílio dos Santos Diniz (Comércio)

8 – Fernando Roberto Moreira Salles (Banco Unibanco e mineração)

9 – João Moreira Salles (Banco Unibanco e mineração)

10 – Pedro Moreira Salles (Banco Unibanco e mineração)

11 – Walther Moreira Salles Júnior (Banco Unibanco e mineração)

12 – André Esteves (Banco BTG Pactual)

13 – Alfredo Egydio Arruda Villela Filho (Banco Itaú)

14 – Jayme Garfinkel (Porto Seguro)

15 – João Roberto Marinho (Grupo Globo)

16 – José Roberto Marinho (Grupo Globo)

17 – Roberto Irineu Marinho (Grupo Globo)

18 – Ana Lucia de Mattos Barretto Villela (Banco Itaú)

19 – Walter Faria (Grupo Petrópolis)

20 – Cândido Pinheiro Koren de Lima (Grupo Hapvida)

Continuar Lendo

AS MAIS LIDAS DA SEMANA