Conecte conosco

BRASIL

Lula critica Bolsonaro na crise Irã-EUA e afirma: Washington precisa sempre eleger inimigo

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) afirmou em uma entrevista nesta quarta-feira que o Brasil não deveria se envolver no conflito entre Estados Unidos e Irã, e que as ações de Washington contra a República Islâmica “cheiram a campanha eleitoral”.

Publicado

em

Agencia Sputnik – Em sua primeira entrevista do ano, concedida ao site Diário do Centro do Mundo (DCM), Lula relembrou que, historicamente, o Brasil sempre teve um papel harmonioso em sua diplomacia, mediando conflitos e defendendo a paz.

“O momento não é adequado para o Brasil se meter em uma briga externa. O Brasil não tem contencioso com o mundo, sempre manteve uma política diplomática harmoniosa. Devemos ser um construtor de paz”, afirmou o ex-presidente.

Relembrando passagens quando era líder do país, entre 2003 e 2010, Lula falou sobre suas relações com dois presidentes estadunidenses do período, o republicano George W. Bush e o democrata Barack Obama.

Em um paralelo entre o ataque dos EUA contra o Iraque, em 2003, e contra o aeroporto internacional de Bagdá, no Iraque, onde o alvo era o general iraniano Qassem Soleimani, Lula destacou pressentir que trata-se de um movimento político do atual mandatário norte-americano, Donald Trump, em prol de sua reeleição neste ano.

“Os EUA precisam sempre eleger um inimigo. Isso está me cheirando a campanha eleitoral […]. Os EUA gostam de criar confusão e de preferência longe do território deles. Não há necessidade de se inventar ‘terrorismo’ no Irã”, opinou Lula, que mencionou os erros da Casa Branca no Oriente Médio.

“Hoje está provado que não havia armas químicas no Iraque. E em nome disso destruíram um país, que hoje se volta contra os EUA”, acrescentou o petista, libertado no ano passado após passar 580 dias preso por uma condenação na Operação Lava Jato.

Voltando ao Irã, Lula afirmou que o país costumava ter boas relações com Teerã quando ele foi presidente, tendo inclusive construído um acordo que, de acordo com o petista, era melhor do que aquele firmado por Obama em 2015 – e do qual Trump retirou os EUA, dando início à crise.

“Quando construímos o acordo em Teerã, o Obama traiu o bom senso e decidiu aumentar a punição contra o Irã, para dois anos depois, construir um acordo muito pior do que o que nós havíamos alcançado”, sentenciou o ex-presidente.

Crítico ferrenho do atual presidente do Brasil, Jair Bolsonaro (sem partido), Lula destacou a necessidade de que se brigue muito para o país retomar a sua soberania, algo que vai além de somente tomar conta de suas fronteiras, mas também levar bem-estar a todos os brasileiros.

Com Bolsonaro, continuou o petista, o Brasil perdeu isso.

“Na relação internacional sempre são dois interesses: o seu e o do outro. Você tem que sempre equilibrar o deles com o seu. O Bolsonaro não faz a menor questão de não ser um ‘lambe botas’ do Trump”, completou.

BRASIL

Justiça Eleitoral prorroga prazo para regularizar título de eleitor

Interessados devem procurar atendimento entre os dias 27 de fevereiro e 6 de maio

Publicado

em

Metro1 – A Justiça Eleitoral prorrogou o prazo de regularização do título de eleitor e quem não atualizou sua situação deve procurar atendimento entre os dias 27 de fevereiro e 6 de maio.

De acordo com o Tribunal Regional Eleitoral (TRE-BA), os eleitores que não comparecerem aos cartórios eleitorais dos 242 municípios selecionados serão impedidos de participar das eleições municipais deste ano. 

Caso o título tenha sido cancelado, o eleitor deve ir ao cartório eleitoral ou posto de atendimento do município, apresentar um documento oficial com foto, comprovante de residência emitido há no máximo três meses e pagar as multas devidas.

Continuar Lendo

BRASIL

Justiça determina extinção de torcidas organizadas de Sport, Santa Cruz e Náutico

O TJ-PE informou que foram julgadas ações que pediam o encerramento das atividades da Jovem, Inferno Coral e Fanáutico, “por episódios constantes de violência, vandalismo e brigas”

Publicado

em

Metro1 – O Tribunal de Justiça de Pernambuco (TJ-PE) acatou o pedido do governo estadual e determinou a extinção compulsória de três torcidas organizadas de Sport, Santa Cruz e Náutico, em decisão divulgada hoje (18).

O TJ-PE informou que foram julgadas ações que pediam o encerramento das atividades da Jovem, Inferno Coral e Fanáutico, “por episódios constantes de violência, vandalismo e brigas”.

A solicitação de julgamento “imediato e simultâneo” das ações, que tramitavam no Judiciário, foi feita pela Procuradoria-Geral do Estado (PGE), no dia 14 de fevereiro. O pedido, que chegou à 5ª Vara da fazenda pública da Comarca do Recife, teve como objetivo agilizar a análise de uma ação ordinária, de 2014, e de uma ação civil pública, de 2012.

De acordo com o TJ-PE, além de determinar o fim das torcidas, a sentença do juiz Augusto Sampaio Angelim ordenou a extinção dos CNPJ’s das organizações. Ainda é possível recorrer ao segundo grau do Judiciário em Pernambuco.

Continuar Lendo

BRASIL

Enem 2019 gerou 507 processos judiciais contra a União

AGU afirmou não ter “informação do mérito principal das demandas, mas apenas o assunto cadastrado”

Publicado

em

Metro1 – A Advocacia-Geral da União (AGU) recebeu 507 processos judiciais relativos ao Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) em 2019, vindos de todos os estados e do Distrito Federal. A AGU afirmou não ter “informação do mérito principal das demandas, mas apenas o assunto cadastrado”.

Os dados foram obtidos via Lei de Acesso à Informação, a partir de pedido da agência de dados Fiquem Sabendo e divulgados pelo jornal O Globo.

A maioria das ações teve origem no Distrito Federal (227), seguido por Minas Gerais (48), São Paulo (44), Rio de Janeiro (32) e Pernambuco (26). Em todos os estados do país houve ao menos um processo judicial relativo ao Enem.

A edição de 2019 teve falhas em sua correção que foram reveladas apenas em janeiro deste ano, quando as notas foram divulgadas. De acordo com o Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), responsável pelo exame, os erros prejudicaram quase 6 mil candidatos, de um total de 3,9 milhões que fizeram as provas.

Continuar Lendo

AS MAIS LIDAS DA SEMANA