Conecte conosco

MUNDO

Com alta procura por itens hospitalares da China, Brasil pode ter problemas de abastecimento

Estados Unidos enviarão 23 aviões para voltar com toneladas de material contra o novo coronavírus (Covid-19)

Publicado

em

Bahia.ba – A alta procura por equipamentos e produtos hospitalares da China nesta semana ascendeu a luz amarela em especialistas brasileiros que tentam comprar insumos de empresas do país asiático.

Ex-presidente da Fiocruz que atualmente negocia a importação dos produtos para a fundação, Carlos Morel demonstrou preocupação com o fato de somente os Estados Unidos (EUA) enviarem 23 aviões para buscar toneladas de insumos

“A notícia mostra que vamos ter sérios problemas de abastecimento. O capitalismo selvagem vai se impor. Cada país vai querer se proteger”, afirmou. A Fiocruz é vinculada ao Ministério da Saúde.

Morel disse ainda que “a pressão sobre as empresas chinesas está no nível máximo” e os preços dos insumos médicos estão aumentando freneticamente. “Sobem de um dia para o outro”.

Ainda de acordo com ele, companhias chinesas já começaram a comunicar que parte dos equipamentos, como leitos hospitalares, só poderão ser entregues em junho

EUA – Os voos ordenados pela Casa Branca para a China foram noticiados pelo The New York Times. O jornal diz que o primeiro avião trouxe 80 toneladas de mercadorias, como 10 milhões de luvas, 1,8 milhão de máscaras, aventais e “milhares de termômetros”.

A encomenda, diz o NYT, é “uma minúscula parte” do que hospitais dos EUA, já em racionamento, necessitam neste momento. Os EUA vão precisar, segundo estimativas, de 3,5 bilhões de máscaras caso a pandemia dure um ano.

Mas há uma fila: a empresa chinesa BYD tem que entregar 40 milhões de máscaras para a Itália antes de atender a demanda norte-americana.​ As informações são da colunista Mônica Bergamo, da Folha de S.Paulo.

MUNDO

Pandemia de coronavírus já matou 300 mil pessoas no mundo

Estados Unidos são país com maior número de óbitos; Brasil ocupa sexta posição na lista

Publicado

em

Metro1 – A pandemia de coronavírus já causou a morte de mais de 300 mil pessoas em todo o mundo. O número foi alcançado ontem (14), de acordo com o Mapa da Covid-19, a Universidade Johns Hopkins. 

Até as 8h30 de hoje (15), 302.493 falecimentos em razão da doença foram registrados. Os Estados Unidos são o país onde o vírus foi mais letal, até o momento: 85.906 óbitos, seguido do Reino Unido, com 33.693. O Brasil ocupa a sexta posição na lista, 13.999 mortes.

Apesar dos números negativos, das cerca de 4,4 milhões de vítimas de coronavírus no mundo, mais de um terço já está curado (aproximadamente 1,6 mi). 

Continuar Lendo

MUNDO

Próximas semanas na Europa serão críticas, diz OMS

Número de casos da doença se aproxima da casa do milhão, informa a direção da entidade global

Publicado

em

Bahia.ba – A Europa está atualmente no olho do furacão da pandemia do novo coronavírus, e o número de casos da doença se aproxima da casa do milhão, disse o diretor regional europeu da Organização Mundial da Saúde (OMS) nesta quinta-feira (16).

“O número de casos na região continua a subir. Nos últimos 10 dias, o número de casos relatados na Europa praticamente dobrou para se aproximar de 1 milhão”, disse Hans Kluge a jornalistas em briefing online.

Isso significa que cerca de 50% do fardo global da Covid-19 está na Europa, acrescentou Kluge. Mais de 84 mil pessoas morreram da doença no continente, lembrou.

“As nuvens de tempestade desta pandemia ainda estão pesadamente sobre a região europeia”, observou Kluge.

Segundo ele, embora alguns países estejam entrando em um período em que podem amenizar algumas restrições gradualmente, “não há um caminho rápido para a volta à normalidade.

Continuar Lendo

MUNDO

Vulcão entra em erupção na Indonésia; cinzas chegam a 500 metros de altura

Vulcão esteve em erupção contínua até a manhã deste sábado (11); ainda não há relatos de vítimas

Publicado

em

Bahia.ba – O vulcão Krakatoa, na Indonésia, entreou em erupção na noite da última sexta-feira (10). As cinzas expelidas chegam a 500 metros de altura e, de acordo com informações da RTP Notícias, é a maior erupção desde aquela que causou um tsunami em 2018.

O Centro para a Mitigação de Desastres Vulcanológicos e Geológicos da Indonésia indicou que o vulcão esteve em erupção contínua até a manhã deste sábado (11). Um alerta nível 2 foi emitido. Não há relatos de vítimas até então.

O vulcão Anak Krakatoa é descendente do vulcão Krakatoa, que entrou em erupção em 1883. Depois disso, o planeta viveu um período de arrefecimento.

Continuar Lendo

AS MAIS LIDAS DA SEMANA