Conecte conosco

BRASIL

CNI: Brasil precisa qualificar 10,5 milhões de trabalhadores na indústria até 2023

De acordo com levantamento, novos empregos terão a tecnologia como base

Publicado

em

Bahia.ba – O Brasil precisará qualificar 10,5 milhões de trabalhadores na indústria até 2023, segundo levantamento divulgado pela Confederação Nacional da Indústria (CNI) nesta segunda-feira (12). 

De acordo com o estudo, a demanda será por qualificação para trabalhadores em ocupações industriais nos níveis superior, técnico, qualificação profissional e aperfeiçoamento.

A maior demanda deverá ser voltada para a qualificação de trabalhadores já empregados – apenas 22% será para capacitação daqueles que ainda vão ingressar no mercado de trabalho.

O levantamento aponta que as áreas que mais vão demandar formação profissional são transversais (1,7 milhão), metalmecânica (1,6 milhão), construção (1,3 milhão), logística e transporte (1,2 milhão), alimentos (754 mil), informática (528 mil), eletroeletrônica (405 mil), energia e telecomunicações (359 mil).

Surgimento de novos empregos

A CNI destacou também que, em relação aos novos empregos, as maiores taxas de crescimento devem vir de ocupações que têm a tecnologia como base. 

Além dos condutores de processos robotizados, estão pesquisadores de engenharia e tecnologia (aumento de 17,9%); engenheiros de controle e automação, engenheiros mecatrônicos e afins (14,2%); diretores de serviços de informática (13,8%); e operadores de máquinas de usinagem CNC (13,6%).

Ocupações que mais devem crescer até 2023

Condutores de processos robotizados
Técnicos em mecânica veicular
Engenheiros ambientais e afins
Pesquisadores de engenharia e tecnologia Superior
Profissionais de planejamento, programação e controles logísticos
Montadores de sistemas e estruturas de aeronaves
Engenheiros agrimensores e engenheiros cartógrafos
Gerentes de operações de serviços em empresa de transporte, de comunicação e de logística (armazenagem e distribuição)
Engenheiros de alimentos e afins
Instaladores e reparadores de linhas e cabos elétricos, telefônicos e de comunicação de dados
Engenheiros de controle e automação, engenheiros mecatrônicos e afins Superior
Técnicos em eletromecânica Técnica
Diretores de serviços de informática Superior
Operadores de máquinas de usinagem CNC
Supervisores de manutenção eletromecânica
Técnicos mecânicos na manutenção de máquinas, sistemas e instrumentos
Pesquisadores das ciências naturais e exatas
Desenhistas projetistas da eletrônica Técnica

BRASIL

WhatsApp é principal fonte de informação do brasileiro, aponta estudo

Segundo a pesquisa realizada pela Câmara dos Deputados e pelo Senado, 79% da população recebe conteúdo pelo aplicativo

Publicado

em

Metro1 – O aplicativo WhatsApp é a principal fonte de informações dos brasileiros, segundo pesquisa realizada pela Câmara dos Deputados e pelo Senado. O levantamento aponta que 79% dos entrevistados disseram sempre receber notícias pela rede social, que é uma das mais populares plataformas no Brasil.

Depois do Whatsapp, outras fontes foram citadas, misturando redes sociais e veículos tradicionais. A televisão foi citada por 50% dos entrevistados, seguida pelo YouTube (49%), Facebook (44%), sites de notícias (38%), a rede social Instagram (30%) e emissoras de rádio (22%). O jornal impresso também foi citado por 8% dos participantes da sondagem e o Twitter, por 7%.

No caso da televisão, o porcentual foi maior entre os mais velhos: 67% dos consultados com mais de 60 anos disseram se informar sempre por esse meio, contra 40% na faixa entre 16 a 29 anos.
Já o Youtube apareceu como mais popular entre os mais jovens. Os que afirmaram sempre utilizar a plataforma chegaram a 55% na faixa de 16 a 29 anos, contra 31% entre os com 60 anos ou mais.

No caso do Instagram, a diferença é ainda maior. Entre os jovens, 41% relataram buscar informações sempre na rede social. Já na faixa dos 60 anos ou mais, o índice caiu para apenas 9%.

A pesquisa ouviu 2.400 pessoas com acesso à internet em todos os estados e no Distrito Federal. As entrevistas foram realizadas por telefone no mês de outubro. O nível de confiança é de 95%, com margem de erro de dois pontos porcentuais para mais ou para menos.

Continuar Lendo

BRASIL

Maioria acredita que soltura de Lula foi justa, diz Datafolha

Na pesquisa, o instituto Datafolha ainda perguntou aos entrevistados sobre se eles confiam nas declarações do ex-presidente

Publicado

em

Metro1 – A maioria da população considerou justa a soltura do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) no início de novembro, após decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) que alterou o entendimento sobre prisão após seguda instância. É o que aponta a mais recente pesquisa Datafolha, que teve resultado publicado hoje (10).

O levantamento mostra que 54% dos entrevistados entendem que a libertação do petista foi justa, comparado a 42% que a consideram injusta. Outros 5% dos entrevistados disseram não saber.

A pesquisa ouviu 2.948 pessoas entre os dias 5 e 6 de dezembro em 176 municípios pelo país. A margem de erro é de dois pontos percentuais, para mais ou para menos.

Na pesquisa, o instituto Datafolha ainda perguntou aos entrevistados sobre se eles confiam nas declarações do ex-presidente. Aqueles que dizem não confiar nunca chegam a 37%, enquanto outros 25% afirmam que sempre confiam. Afirmam que às vezes têm confiança no que fala o petista 36%.

O Datafolha também questionou o grau de confiança em declarações de Jair Bolsonaro. O resultado foi mais desfavorável ao presidente: 43% disseram nunca confiar no que ele diz e outros 37% afirmam que às vezes confiam. Os que disseram confiar somaram 19%.

Continuar Lendo

BRASIL

‘A grande âncora do meu governo são as Forças Armadas’, diz Bolsonaro

Presidente citou generais que presidiram país durante ditadura militar, como Castelo Branco e Emílio Garrastazu Médici

Publicado

em

Metro1 – O presidente Jair Bolsonaro declarou hoje que a base de seu governo são as Forças Armadas, e citou ações generais que presidiram país durante ditadura militar, como Castelo Branco e Emílio Garrastazu Médici, durante seu discurso em almoço comemorativo de promoção de novos oficiais das Forças Armadas.

“Nós nada fazemos sozinhos. A grande âncora do meu governo são as Forças Armadas”, disse o presidente. O ministro da defesa, Fernando Azevedo e Silva, destacou o “cuidado especial” que as Forças Armadas têm recebido do governo Bolsonaro.

“Faltava preencher um vazio de décadas, resgatar o que temos de mais valioso: o militar e sua família. O projeto aprovado semana passada representou possivelmente o mais importante de 2019, corrigindo distorções, valorizando a meritocracia. Representou mais um esforço dos militares para o esforço fiscal do país”, afirmou o ministro. Os militares são a única categoria do país que não terá idade mínima para se aposentar e a única entre servidores que continuará com aposentadoria integral.

Continuar Lendo

AS MAIS LIDAS DA SEMANA