Conecte conosco

MUNDO

A “renúncia” de Cristina Kirchner e o novo tabuleiro político argentino

Publicado

em

A "renúncia" de Cristina Kirchner e o novo tabuleiro político argentino

A “renúncia” de Cristina à candidatura presidencial é um acontecimento inédito. E não porque tenhamos esquecido de outra renúncia, essa sim de verdade, de Eva Perón, mas porque pela primeira vez um candidato a vice-presidente anuncia quem será o primeiro na chapa.

Um indicativo claro de onde está a fonte de poder. Um olhar superficial faz lembrar o bordão “Cámpora ao governo, Perón ao poder”, ficção que não durou nem dois meses e que acabou em um golpe palaciano, desalojando a ala mais radicalizada do peronismo.

Desta vez os fatores se inverteram: um moderado como Alberto Fernández estaria sob a pressão do kirchnerismo duro e de um possível putsch. Já tentaram essa experiência com a chapa Daniel Scioli presidente – Carlos Zannini vice, e comissário político, mas Macri a venceu A “renúncia” apresenta peculiaridades.

A primeira é que a chapa Alberto Fernández-Cristina Fernández (de Kirchner), foi anunciada a pouco mais de um mês do vencimento do prazo legal.

A presença do ex-chefe de Gabinete de Néstor Kirchner é, claramente, uma presença negociadora para unificar o peronismo.

É um convite para a grande primária do Partido Justicialista com todos dentro, como, por exemplo Sergio Massa, que Alberto várias vezes tentou fazer com que voltasse a trabalhar com Cristina.

Significa também que Cristina sabe que pode ganhar, mas sabe que terá que governar com um mundo político-financeiro hostil e com uma situação difícil para seus gostos políticos. Prefere que seja outro o responsável por essa dura tarefa.

Mas a chapa AF-CFK também poderia fazer parte da negociação global em que a situação judicial de Cristina estaria sobre a mesa.

Alberto se encarregou de mostrar que quatro juízes da Suprema Corte de Justiça tentariam frear o julgamento por corrupção que começa na terça-feira. Essas “garantias” tornariam mais fácil a negociação de um ticket no qual -inclusive- a senadora não apareça.

Cristina também tem razões personalíssimas para dar esse passo, com sua filha Florencia em um virtual exílio em Cuba.

Nesta semana, o governador da províincia de Córdoba, Juan Schiaretti, começará a fazer valer o peso de sua reeleição quando se encontrar com Sergio Massa, Juan Manuel Urtubey e Roberto Lavagna.

O peronismo alternativo tinha um peso com a polarização entre Cristina e Macri. Agora, alguns governadores comprometidos com esse setor poderiam esgrimir uma desculpa para desertar.

Aparentemente, no entanto, o terceiro setor tentará competir, embora persistam incógnitas em relação a Massa.

O governo, contudo, considera que houve gatopardismo (mudar algo para que nada mude). Argumenta que a jogada de Cristina como vice aconteceu porque ela tem um teto eleitoral que não consegue perfurar.

Outros, porém, sugerem que haverá movimentos no lado de Macri, se ele resolver que outra pessoa jogue esta partida eleitoral. Uma mudança muito difícil, mas não impossível.

Ricardo Kirschbaum é diretor de redação do Clarín.

Clique aqui para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

MUNDO

Brasileiros participam de mobilização mundial pelo clima

Ação sobre mudanças climáticas ocorreu em mais de 150 países

Publicado

em

Metro1 – Uma mobilização mundial, batizada de Greve Global pelo Clima, aconteceu nesta sexta-feira (20) em mais de 150 países. O objetivo da ação é chamar atenção para mudanças climáticas e trazer à tona estudos, dados, debates políticos e propostas para encaminhamento de planos continentais e globais pelo clima. Em diversas cidades brasileiras houveram manifestações.

As maiores movimentações foram vistas em São Paulo, no Rio de Janeiro e em Brasília. Manifestantes, a maior parte deles jovens, exigiam ações concretas para redução de emissões de gases causadores do efeito estufa e combate ao aquecimento global. Eles também protestaram contra o uso de agrotóxicos e o consumo excessivo de carne. Pessoas seguravam cartazes com dizeres: “Por um mundo sem desmatamento”, Somos a natureza” e “Não se respira dinheiro”.

Em Salvador, manifestantes se concentraram às 9h00 no Campo Grande para uma passeata em prol da Greve Mundial pelo Cima e pela “soberania nacional”. Além da passeata, os organizadores também promoveram uma aula pública sobre mudanças climáticas.

Continuar Lendo

MUNDO

Itália autoriza o desembarque de navio humanitário com 82 imigrantes

Itália autoriza o desembarque de navio humanitário com 82 imigrantes

Publicado

em

Bahia.ba – O governo da Itália autorizou neste sábado (14) o desembarque de 82 imigrantes em um porto na ilha de Lampedusa. Eles estavam há seis dias a bordo do barco humanitário Ocean Viking, pertencente às ONGs SOS Méditerranée e Médicos Sem Fronteiras (MSF). A informação foi confirmada pelo MSF nas redes sociais. A decisão é vista como uma mudança de postura de Roma em relação à crise imigratória.

O desembarque seguro foi oferecido por autoridades italianas, após a negativa anterior ao pedido de dezenas de navios de resgate no Mar Mediterrâneo. A Guarda Costeira italiana ainda analisa se permite a entrada no porto ou se transfere os migrantes para outros barcos italianos em águas internacionais, transportando-os posteriormente para o território italiano.

O Ocean Viking socorreu, em 8 de setembro, 50 pessoas no Mediterrâneo e, em 10 de setembro, acolheu outras 34, que tinham sido assistidas no mar por um veleiro sem condições de mantê-las a bordo.

O  barco esteve por duas semanas no Mediterrâneo com 356 migrantes a bordo, em agosto passado, até seis países europeus concordarem no realojamento dos resgatados, uma situação extrema criticada pelo MSF, que pediu à União Europeia um sistema permanente em vez de pactos pontuais para cada situação.

Entre meados de 2018 e julho de 2019, vigorou na Itália uma política restritiva que proibia qualquer navio ou ONG de desembarcar imigrantes. Foram aprovadas duas leis, chamadas de “decreto de segurança” e “decreto de segurança bis”, para negar os acessos.

A política restritiva tinha sido elaborada e era defendida pelo líder do partido nacionalista Liga Norte, Matteo Salvini, que ocupava o posto de ministro do Interior. O fim da aliança de governo entre a Liga e o Movimento 5 Estrelas (M5S), no entanto, mostra que a Itália tem sinalizado que passará a aceitar novamente as embarcações com imigrantes e tentará pedir cooperação na União Europeia para resolver a crise.

Continuar Lendo

MUNDO

Chanceler da Venezuela diz que país venceria eventual guerra contra o Brasil

“Seria uma guerra muito longa, e que venceríamos”, falou

Publicado

em

Bahia.ba – O chanceler da Venezuela, Jorge Arreaza, disse ao site UOL que o país não quer um conflito armado com o Brasil, mas que está disposto a reagir caso seja provocado.

“Jamais agrediríamos um país-irmão. Isso está descartado. Mas iremos nos defender”, garantiu. “O presidente Maduro anunciou exercícios militares, que estão ocorrendo neste momento”, disse.

Arreaza ainda frisou que a Venezuela ganharia uma guerra contra o Brasil, apesar de ponderar que a batalha seria longa.

“A Venezuela não quer uma confrontação com ninguém. Vamos nos defender e sabemos nos defender. Temos uma Força Armada bem equipada, profissional e temos 3 milhões de homens. Em caso de agressão, seria uma catástrofe. Seria uma guerra muito longa, e que venceríamos. Espero que esse erro nunca ocorra”, falou.

Continuar Lendo

AS MAIS LIDAS DA SEMANA