Conecte conosco

BRASIL

Somente Lula pode vencer o golpe e a intolerância crescente

Publicado

em

Por REGINALDO LOPES Nada é para sempre e o governo Temer, que se arrasta de maneira melancólica, vai chegar ao seu fim. O golpe, porém, continua a pleno vapor. Querem impedir que o líder disparado de todas as pesquisas e maior liderança popular de nossa história se candidate. Para isso, é realizada uma campanha midiática diária, mas que já enfrentamos e vencemos outras vezes.

É inegável, porém, que a República de Curitiba pode conseguir o que a grande mídia sozinha falhou; tirar Lula do páreo eleitoral. Diante dessa possibilidade real- só concretizada se também for derrotada toda a luta nas ruas- corremos um risco que muitos ainda não mensuram.

Uma eleição sem Lula é o objetivo final do golpe. Após o aniquilamento dos direitos trabalhistas e da venda de nossas riquezas, falta impugnar quem representa o veto do povo a todas essas medidas. Além da usurpação da vontade popular, o impedimento do ex-presidente pode resultar em avanço eleitoral de candidaturas que, não só negam a política, como desrespeitam as minorias, pregam a violência e louvam torturadores e a ditadura militar.

Lula é líder em todos os cenários e em todas as pesquisas. Na última a ser divulgada, a da CNT/MDA, vence com mais de 12% de diferença no segundo turno todos os seus adversários, que se acotovelarão para se credenciarem como o “anti-Lula”. Sem o ex-presidente na disputa, porém, nenhum candidato já posto do campo progressista chega a ter mais de 2%, enquanto o deputado federal Jair Bolsonaro (PEN/RJ) está com 10,9%.

Dizer que, se eleito, Minas Gerais poderia ganhar uma praia, sem explicar se seria o sul da Bahia, o Espírito Santo ou o Rio de Janeiro que perderia a área, foi a demagogia mais inocente feita por Bolsonaro nos últimos tempos.

Ele já defendeu o fechamento do Congresso e fuzilamento de presidente. Em seu voto no impeachment de Dilma, homenageou Eduardo Cunha, comparou os golpes de 1964 e 2016 (em um incrível sincericídio) e teceu loas a Carlos Alberto Brilhante Ustra, torturador do DOI-Codi conhecido pela brutalidade e pela violação aos direitos humanos mais básicos. Bolsonaro chegou a afirmar, em uma entrevista à revista Playboy em 2011, que preferiria ver um filho morto em um acidente a ter um filho homossexual, além de proferir diários desrespeitos as mulheres em sua atuação parlamentar. É réu no Supremo Tribunal Federal por incitação ao estupro. Quem apoia Jair Bolsonaro não respeita as mulheres do nosso país. Para lembrar outro absurdo, o deputado afirmou que o presídio de Pedrinhas, onde tinham ocorrido massacres, superlotações e rebeliões, era a melhor coisa que havia no Maranhão. A comunidade quilombola também foi alvo de seus rompantes e o seu patriotismo não se aplica à defesa da Amazônia e dos direitos do trabalhador. Este é o segundo colocado das pesquisas.

Isso tudo ressalto sem ainda questionar a sua capacidade técnica de comandar os rumos do país, apontar caminhos e soluções. Falta a compreensão do Brasil, sua multiplicidade, sua história e sua formação, além da capacidade administrativa. No Brasil de hoje, ainda mais pela atual crise, não cabem a intolerância e o despreparo.

A direita tucana, que representa a total submissão do Brasil ante ao mercado financeiro e a destruição dos direitos sociais, está se organizando para ter candidatura, apesar do abalo sofrido com o que se descobriu sobre Aécio Neves. Já a direita fascista ganha corações e mentes com um discurso, ao mesmo tempo, moralista e agressivo.

Sem a menor vocação e a intenção de ser sebastianista, pergunto: Quem mais poderá representar o povo brasileiro, com legitimidade, na disputa contra esses adversários? Quem tem a confiança de parte significativa do povo e, ao mesmo tempo, experiência administrativa de sucesso para comandar o país nesse momento, com olhar especial aos mais necessitados?

 

A resposta é Lula, e disso, os golpistas, que estão no Brasil, ou fora dele, sabem bem, e operam incansavelmente para tirá-lo da disputa. Nesse ponto, o destino levou a candidatura Lula ser a fiadora da própria democracia no Brasil.

Se os golpistas sabem, é preciso que a sociedade como um todo também saiba. Ela, que pagou muito caro pela leitura errada do momento histórico em 1964, tem a chance de um novo erro e precisa urgentemente refletir sobre a importância do direito à candidatura Lula. Primeiro: pela vontade popular. É o voto do pobre que querem tirar, de quem é diretamente afetado pela política do governo ilegítimo. Segundo; é Lula quem pode deter tanto o projeto golpista e entreguista, quanto o avanço autoritário, que nega os direitos humanos e prega a intolerância. Representa também a disputa entre o patrimônio e a soberania nacional contra o capital especulativo internacional.

Não se trata mais de uma questão de preferência política, de julgar se Lula deve ou não ser candidato, discutindo o que ele ainda tem, ou não, a contribuir ao país. Trata-se da maior liderança popular da nossa história, líder de todas as pesquisas e figura mais importante da oposição ao governo, que está sendo impedido de concorrer nas primeiras eleições após um golpe parlamentar no Brasil.

Não temos medo do embate eleitoral, seja ele contra qualquer adversário. Sabemos do nosso legado, o que fizemos e queremos a legalidade porque confiamos na vontade popular. Mas é preciso que lembremos também de tudo aquilo que deixamos de fazer para, aí sim, estarmos completamente preparados para ganhar a disputa eleitoral, reverter o golpe e melhorar a vida do povo novamente.

Continuar Lendo
Clique aqui para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

BRASIL

O QUE VAI ACONTECER? VAI DAR PT

Publicado

em

Vai dar PT

Pelo andar da carruagem…  Aprende ai a coreografia.

Continuar Lendo

BRASIL

O PATO PATETA; A MELHOR MANIFESTAÇÃO POLÍTICA QUE JÁ ASSISTI

Publicado

em

Em Goiás, crianças cantam ‘O pato pateta’ para Temer.

Continuar Lendo

BRASIL

Veja os candidatos a presidente definidos nas convenções partidárias

Publicado

em

Candidatos à Presidência da República definidos em convenção para as eleições de 2018 (Foto: Reprodução)

Palavra Digital – No primeiro fim de semana de convenções nacionais, os partidos políticos confirmaram cinco candidatos a presidente da República: Ciro Gomes (PDT), Guilherme Boulos (PSOL), Jair Bolsonaro (PSL), Paulo Rabello de Castro (PSC) e Vera Lúcia (PSTU). As convenções têm de ser realizadas até 5 de agosto, e o prazo para pedir o registro das candidaturas na Justiça Eleitoral encerra-se em 15 de agosto.

A lei eleitoral permite, a partir da homologação das convenções, a formalização de contratos para instalação física e virtual dos comitês dos candidatos e dos partidos. O pagamento de despesas, porém, só pode ser feito após a obtenção do CNPJ do candidato e a abertura de conta bancária específica para movimentação financeira de campanha e emissão de recibos eleitorais.

Segundo o calendário das eleições de 2018, a partir de quarta-feira (25), a Justiça Eleitoral poderá encaminhar à Secretaria da Receita Federal os pedidos para inscrição de candidatos no CNPJ. A partir dessa data, os partidos políticos e os candidatos devem enviar à Justiça Eleitoral, para divulgação na internet, os dados de arrecadação para financiamento da campanha eleitoral, observado o prazo de 72 horas após o recebimento dos recursos.

Nas convenções nacionais, o PSL, o PDT e o PSC não escolheram os candidatos a vice. Caberá à direção nacional do PDT articular as alianças para o primeiro turno das eleições e o vice de Ciro Gomes. O PSC vai buscar um vice que agregue apoios, mas o candidato demonstrou disposição de ter uma mulher na sua chapa. No PSL, o nome forte para compor a chapa de Bolsonaro é o da advogada Janaina Paschoal, que participou da convenção ao lado do candidato a presidente.

O PSOL formou uma chapa puro sangue: Sônia Guajajara será a candidata a vice de Boulos. O partido, no entanto, disputará as eleições de outubro coligado com o PCB, que realizou convenção na última sexta-feira e aprovou a aliança. O PSTU optou por não fazer coligações. O vice de Vera Lúcia será Hertz Dias.

O PMN e o Avante realizaram ontem convenções nacionais e decidiram não lançar candidatos a Presidência da República. Na convenção, o Avante decidiu dar prioridade à eleição de deputados federais: terá uma chapa com cerca de 80 nomes e pretende eleger pelo menos cinco. O Avante não definiu se apoiará algum candidato a presidente no primeiro turno. O PMN decidiu dar apoio a nenhuma chapa nas eleições presidenciais.

No próximo sábado (28), devem reunir-se SD, PTB, PV, PSD e DC.(AGÊNCIA BRASIL)

Continuar Lendo

AS MAIS LIDAS DA SEMANA

Copyright © 2017 Tudo é Política