Conecte conosco

BRASIL

Reforma da Previdência vai retirar R$ 900 bilhões das famílias mais pobres do Brasil

Publicado

em

Reforma da Previdência vai retirar R$ 900 bilhões das famílias mais pobres do Brasil

Carta Campinas – Que ‘reforma’ da Previdência é essa? A pergunta ganhou a internet e ficou entre os assuntos mais comentados do Twiiter nesta terça-feira (4). O questionamento dá nome a uma campanha que quer esclarecer as propostas do governo do presidente, Jair Bolsonaro (PSL), sobre o tema (PEC 06/19).

Mais de 90% da economia pretendida com a reforma irá gerar vem dos mais pobres, segundo alerta o economista Eduardo Moreira. Isso significa que, pelos cálculos do próprio governo, a reforma vai retirar R$ 900 bilhões das famílias mais pobres do Brasil. Ou seja, 90% dos R$ 1 trilhão que o governo pretende economizar.

A campanha conta com um site e um vídeo, amplamente compartilhado. Na peça, Eduardo Moreira, ex-banqueiro e conhecedor dos bastidores do mercado financeiro, faz considerações sobre a proposta bolsonarista, encabeçada pelo ministro da Economia, Paulo Guedes. “A reforma da Previdência, como está sendo proposta, não vai ser boa para nenhum brasileiro. Nenhum!”, afirma.

O vídeo é curto e segue com explicações objetivas sobre um tema com detalhes que podem parecer complexos. “Os mais pobres vão ter que trabalhar por mais tempo e receber ainda menos. Para quem é servidor público e para a chamada classe média tradicional, essa reforma também é incrivelmente perversa”, aponta.

Moreira faz uma consideração de que, comprovada a necessidade de uma reforma na Previdência, ela “deveria atacar privilégios e privilegiados. Mas essa proposta ataca quase que exclusivamente trabalhadores e a classe média (…) Os dados estão no documento oficial do próprio governo. O Brasil precisa, na verdade, tributar os mais ricos, cobrar os grandes devedores da Previdência, parar de dar isenções e benefícios fiscais para quem não precisa e voltar a investir para gerar empregos”. (Da RBA/ Carta Campinas)

Clique aqui para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

BRASIL

Bolsonaro diz que não fará demarcação de terras indígenas

Presidente também criticou Alemanha e Noruega e disse que países estavam comprando o Brasil à prestação

Publicado

em

Metro1 – O presidente Jair Bolsonaro (PSL) disse hoje (16) que não fará demarcação de terras indígenas durante seu governo. Ele também criticou a Alemanha e a Noruega por suspenderem seus repasses para o Fundo Amazônia, falando que esses países estão comprando o Brasil à prestação.

“Enquanto eu for presidente não tem demarcação de terra indígena. Eles têm 14% do território nacional. Imagine a Região Sudeste, uma área maior que essa já é terra indígena, não é área suficiente? Ontem eu estive de novo com um grupo de indígenas e eles querem liberdade para trabalhar na sua área, não querem viver como em um confinamento, como seres pré-históricos”, disse o presidente.

Como um dos exemplos de que o Brasil está sendo comprado, ele citou a expansão do Parque Nacional da Chapada dos Veadeiros, em Goiás, ampliado no governo Temer em 2017. “O pessoal está comprando à prestação o Brasil. A compra no passado era também demarcando terras, o Brasil só fazia acordos lá fora em troca de abrir mão de sua soberania, demarcando terras indígenas, ampliando parques”, afirmou Bolsonaro.

Em sua visão, terras demarcadas para população indígena e reservas atrapalham o desenvolvimento do Brasil.“Não pode continuar assim, 61% do Brasil não pode fazer nada. Tem locais que, para produzir, você não vai produzir, porque não pode ir numa linha reta para exportar ou para vender, tem que fazer uma curva enorme para desviar de um quilombola, uma terra indígena, uma área proteção ambiental. Estão acabando com o Brasil”, declarou o presidente.

Continuar Lendo

BRASIL

Caixa sofre tentativa de invasão hacker às vésperas de liberação do FGTS

Alvo dos invasores foi o sistema que contém dados de beneficiários de programas sociais, como o Bolsa Família

Publicado

em

Metro1 – A Caixa sofreu uma tentativa de invasão de hackers que obrigou o banco a tirar do ar o sistema que contém dados de beneficiários de programas sociais, como o Bolsa Família, e de trabalhadores. O caso ocorreu na última quarta-feira (14), segundo o jornal O Estado de S. Paulo.

De acordo com a publicação, o alvo dos invasores foi o banco de dados do Número de Identificação Social (NIS).

Esse número dá acesso a informações acerca do recolhimento e recebimento do FGTS, seguro-desemprego, abono salarial e aposentadoria.

Em nota, a Caixa disse que “identificou, na noite de 14 de agosto de 2019, tentativa de acesso indevido ao sistema corporativo que possui informações cadastrais de cidadãos” e que tomou as medidas necessárias para “impedir a concretização de possíveis fraudes e garantir a segurança dos dados dos cidadãos”.

Segundo o banco, o ataque não atingiu o sistema que armazena informações do FGTS.

Afirmou ainda que utiliza as “melhores práticas” e ferramentas especializadas em segurança cibernética e atua constantemente na prevenção de eventuais ocorrências de fraudes.

A tentativa de invasão ocorre às vésperas da liberação de R$ 42 bilhões do FGTS de contas ativas (dos contratos atuais) e inativas (de contratos anteriores), cujo calendário de saques terá início no dia 13 de setembro.

Continuar Lendo

BRASIL

Merkel, pegue essa grana e refloreste a Alemanha, diz Bolsonaro

Presidente se refere ao bloqueio de R$ 155 milhões do governo alemão para projetos de preservação ambiental no Brasil

Publicado

em

Metro1 – O presidente Jair Bolsonaro (PSL) disse ontem (14) que a chanceler alemã, Angela Merkel, deve usar o dinheiro bloqueado para preservação ambiental no Brasil para reflorestar a Alemanha.

“Eu queria até mandar um recado para a senhora querida Angela Merkel, que suspendeu US$ 80 milhões para a Amazônia. Pegue essa grana e refloreste a Alemanha, ok? Lá está precisando muito mais do que aqui”, afirmou ele.

No entanto, a quantia mencionada por ele é maior que a anunciada. O governo alemão disse que vai congelar cerca de €35 milhões, que equivale a R$ 155 milhões, menos da metade dos US$ 80 milhões citados por Bolsonaro, equivalente a R$ 319 milhões.

Continuar Lendo

AS MAIS LIDAS DA SEMANA