Conecte conosco

MUNDO

ONG: Primeiro ano de Trump na presidência foi marcado pelo retrocesso nos direitos humanos

Publicado

em

A ONG Human Rights Watch publicou nesta quinta-feira (18) seu Relatório Mundial 2018, no qual não poupou críticas à administração do presidente dos EUA, Donald Trump, em relação aos direitos humanos, sobretudo no que diz respeito às suas políticas para os refugiados e imigrantes.

Sputnik – De acordo com a organização, o primeiro ano da administração Trump foi marcado por um forte retrocesso nos esforços do governo para proteger e promover uma série de direitos humanos, implementando “políticas que prejudicaram os refugiados e imigrantes, minaram os direitos das mulheres e o acesso a importantes serviços de saúde”.

“A administração Trump promoveu políticas que colocam as pessoas vulneráveis em maior perigo e prejudicam a proteção constitucional para os direitos humanos de todos”, declarou a diretora do programa dos EUA na Human Rights Watch, Alison Parker.

“As pessoas mais propensas a sofrer abusos são muitas vezes menos capazes de defender seus direitos nos tribunais ou através do processo político e devem ser protegidas, não visadas por políticas abusivas”, frisou Parker.

O Relatório Mundial 2018 da Human Rights Watch analisou as práticas de direitos humanos em mais de 90 países. O documento destac que a administração norte-americana expandiu os procedimentos abusivos de deportação rápida e os processos criminais para crimes de imigração e passou a aumentar a detenção prolongada de imigrantes.

“Trump deve abandonar suas políticas abusivas e discriminatórias e respeitar os direitos de todos”, acrescentou Parker.

 

Clique aqui para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

MUNDO

Venezuela: Ministro da Defesa nega possível golpe de Estado

Ministro destacou que militares irão defender Nicolás Maduro

Publicado

em

Metro1 – O ministro da Defesa da Venezuela, Vladimir Padrino López, negou que possa ocorrer um golpe de Estado no país, e destacou que os militares ficarão do lado do presidente Nicolás Maduro.

“Não vai haver nem golpe de Estado, nem governo de fato, nem transição alguma. Aqui não vai se instalar qualquer governo porque as Forças Armadas estão consciente das suas obrigações morais e constitucionais”, declarou López. Ele acrescentou que os militares vão “defender a democracia” e o “presidente Nicolás Maduro, eleito pelo povo”.

Continuar Lendo

MUNDO

Macri anuncia medidas econômicas após derrota em prévias eleitorais

Empregados públicos e das forças armadas receberão um abono de 5 mil pesos no final do mês

Publicado

em

Metro1 – Após derrota sofrida nas prévias eleitorais de domingo (11) e com a desvalorização da moeda argentina, o presidente Mauricio Macri, anunciou hoje (14) um pacote de medidas econômicas destinadas aos trabalhadores e às pequenas e médias empresas.

De acordo com o G1, entre as ações anunciadas, estão bônus de até 2 mil pesos extras aos trabalhadores entre setembro e outubro.

Os desocupados e os trabalhadores informais receberão dois pagamentos extras do benefício que já recebem por seus filhos.

Já os empregados públicos e das forças armadas receberão um abono de 5 mil pesos no final do mês.

Macri ainda anunciou que o salário mínimo será elevado, no entanto, não antecipou o valor. Segundo ele, o conselho de salário será convocado hoje para decidir sobre o aumento.

As pequenas e médias empresas vão ser beneficiadas com um novo plano, para permitir o pagamento das obrigações tributárias em até dez anos.

Continuar Lendo

MUNDO

Alemanha julga ex-guarda nazista por mais de 5 mil mortes

Ex-membro da SS tem 92 anos e atuou em campo de concentração

Publicado

em

Metro1 – A Justiça marcou para outubro o que deve ser um dos últimos julgamentos de crimes nazistas, desta vez de um ex-membro da SS (organização paramilitar durante o regime nazista) de 92 anos por ser cúmplice na morte de 5.230 prisioneiros no campo de concentração de Stutthof, na Polônia.

Bruno D. atuava como guarda no campo, e é acusado de envolvimento em assassinatos cometidos entre agosto de 1944 e abril de 1945, quando trabalhou no local. Ele tinha entre 17 e 18 anos e integrou a máquina “de assassinatos em massa” no campo de concentração por ser guarda da SS, segundo a Promotoria. Devido à idade que Bruno tinha, o processo será analisado por um Tribunal Juvenil.

Continuar Lendo

AS MAIS LIDAS DA SEMANA